domingo, 26 de outubro de 2014

TRE-RJ encontra material de campanha em Universal e lacra a igreja

Fiscais do tribunal apreenderam material de campanha e listagens com números de títulos de eleitor.

Um prédio da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus em Duque de Caxias), na Baixada Fluminense, foi lacrado por fiscais do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro) na manhã deste sábado (25). Segundo oTRE-RJ, foram apreendidos material de campanha e listagens com números de títulos de eleitor.

Fiscais do TRE foram até ao local depois de receber uma denúncia anônima. O Rio foi um dos Estados com o maior número de ocorrências de irregularidades no primeiro turno das eleições. No total, a Procuradoria Regional Eleitoral --órgão vinculado ao Ministério Público Federal-- enviou 16 processos para a Justiça propondo cassação de registro e inelegibilidade, além de 325 ações por propaganda ilegal.

Além das propostas de governo, o tema religião foi um dos mais presentes na campanha eleitoral no Estado. O governador e candidato à reeleição Luiz Fernando Pezão (PMDB) passou a explorar a questão assim que o senador Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Iurd e sobrinho de Edir Macedo, líder da Universal, garantiu vaga no segundo turno da disputa.

No último debate antes das eleições, realizado pela rede Globo na quinta-feira (23), Pezão acusou Crivella de ser "testa de ferro" de Macedo. "Você representa a Igreja Universal do bispo Macedo. É um perigo para o Estado", declarou o peemedebista.

O senador, por sua vez, disse que o atual governador estava "tentando fazer uma guerra entre religiões" e "pregando o ódio". "Não tem que discutir Edir Macedo porque você esteve lá no Templo (de Salomão) puxando saco e elogiando", afirmou Crivella, referindo-se à ida de Pezão, em julho, ao evento de inauguração do templo da Iurd, em São Paulo.

Na quinta, pesquisas divulgadas pelos institutos Ibope e Datafolha apontaram que Pezão tem 55% dos votos válidos enquanto Crivella tem 45%. No primeiro turno, o atual governador obteve 40,57% dos votos válidos, e Crivella, 20,26%.

Fonte: UOL

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...