domingo, 21 de fevereiro de 2016

OS PERIGOS DA MOCIDADE

O orgulho

Eis o mais antigo pecado do mundo. Deveras, existiu antes do mundo, pois Satanás e os seus anjos caíram pelo orgulho. Ele se encontra em todo coração humano. Faz-nos pensar muito de nós mesmos, recusar todo conselho, rejeitar o Evangelho de Cristo, seguir o nosso próprio caminho; e o orgulho reina poderosamente no coração do jovem!
Quantos moços não ficam presunçosos, ativos e impacientes, desprezando o conselho dos mais velhos! Muitas vezes descorteses e sem modos, consideram como "puritanos", "chatos" ou "antiquados" aos pais e anciãos que querem orientá-los. Imaginam-se sem necessidade de instrução, pois sabem tudo; insistem em ser independentes, e tornam-se descontrolados. Assim foi o rei Roboão, que desprezou o conselho dos anciãos, ministros de seu pai Salomão, e aceitou os pareceres irresponsáveis dos seus próprios colegas. Ceifou o fruto dessa loucura. Há muitos como ele!
Moço, não se orgulhe dos seus conhecimentos, da sua habilidade, da sua força. Você ainda não se conhece a si mesmo nem conhece o mundo. Lembre-se da Escritura que diz: "Não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação" (Romanos 12.3), e: "Revesti-vos da humildade" (Colossenses 3.12); veja como o Senhor Jesus, lavando os pés aos discípulos disse: "Eu vos dei o exemplo" (João 13.13-17), e leia o Seu caráter descrito em Filipenses 2.7-8. O orgulho faz-nos mais semelhantes a Satanás do que a Cristo!

O amor dos prazeres

Na mocidade as nossas paixões são fortes, e nos querem governar. Temos saúde e energia; a morte parece bem longe, e "gozar a vida" é o que mais nos preocupa. Seguir deleites e prazeres é, sem dúvida, o único desejo de muitos jovens. Porém, "guardai-vos das paixões carnais que fazem guerra contra a alma" (1ª. Pedro 2.11); e Paulo diz: "Subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão" (1ª Coríntios 9.27). O nosso corpo pode servir-nos bem, mas nunca deve nos dominar.
Aqui exorto a todo jovem: lembre-se do sétimo mandamento em Êxodo 20.14. Evite o adultério, a fornicação e toda a forma de impureza sexual. A violação deste mandamento sempre traz conseqüências desastrosas, tanto no corpo como na alma, quer dos casados quer dos solteiros. Disto Ló, Sansão e Davi são terríveis exemplos. O mundo faz pouco caso deste pecado (especialmente nos homens), porém Deus odeia, e declara que o julgará (Hebreus 13.4). Jovens, "ninguém os engane com palavras vãs, pois por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência" (Efésios 5.6). Fujam dos que praticam essa iniqüidade; evitem filmes sujos, e bailes, como também revistas e livros de temas duvidosos. Leiam Mateus 5.28 e evitem conversas e pensamentos que provocam a tentação. Cuidado com os pensamentos lascivos nas horas vagas!

A leviandade

O jovem pouco conhece os perigos desta vida, e anda, sem cuidado. Não tomando tempo para meditar a sério, chega a decisões erradas – e cai em laços e desgostos. Exige-se nesta vida que a gente reflita bem para conseguir a felicidade, especialmente com respeito à nossa alma. "Considerai o vosso caminho", diz a Escritura; pare e pense, moço, a fim de adquirir a sabedoria. Um erro na vida espiritual poderá causar anos de sofrimento, e o pecado quase sempre parece "bom e agradável" na hora da tentação. "Pondera a vereda dos teus pés, e todos os teus caminhos sejam bem ordenados" (Provérbios 4.26). Medita bem na sua conduta, olhe bem para onde vai.

O medo da opinião alheia

É verdade que "o receio do homem" influi muito na conduta da juventude; poucos têm coragem para nadar contra a correnteza. O que os colegas acham certo, é certo; o que a maioria quer fazer, todos devem fazê-lo, ninguém quer ficar o único discordante. "Que pensarão os meus amigos?" torna-se a regra da conduta para muitos.
"Temi o povo, disse Saul, e transgredi o mandamento do Senhor" (1º Samuel 15.24). "Tenho medo dos judeus" disse o rei Zedequias, e recusou o conselho de Jeremias (Jeremias 38.19). Herodes teve medo da opinião dos seus hóspedes e mandou degolar a João Batista (Marcos 6.26). Pilatos receou ofender os chefes judaicos e fez o que a sua consciência condenou – entregou Jesus para ser crucificado. Que escravidão desprezível, e quão comum até hoje!
"Quem pois és tu, para que temas o homem mortal.... e te esqueças do Senhor que te criou?" Is 51.12-13. Afinal o mundo sabe respeitar aqueles que têm coragem de manter as suas convicções e querem servir a deus. Jovens, não se envergonhem de se apresentarem como servos de Deus! Por que agradar aos mundanos? Eles não os agradecerão depois! O mundo não poderá salvar as suas almas, nem dar-lhes uma boa consciência diante de Deus. Tenham coragem, então – "Não temais o opróbrio dos homens, nem vos turbeis pelas suas injúrias" Isaías 51.7, "não seguirás a multidão para fazeres o mal" (Êxodo 23.2); "não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo" Mateus 10.28.

Adaptado por

Richard Dawson Jones (1895 - 1987)

("Vigiai e Orai" - No.49 - novembro de 1978 e No. 50 – dezembro de 1978)

Nenhum comentário: