quinta-feira, 7 de abril de 2016

RECRUTAMENTO ISLÂMICO - Interpol investiga desaparecimento de universitária do Pará

A paraense Karina Raiol após conversão ao islamismo (Foto: Arquivo Pessoal/ Karen Raiol)A paraense Karina Raiol após conversão ao
islamismo (Foto: Arquivo Pessoal/ Karen Raiol)
A Interpol investiga o desaparecimento de uma universitária paraense. Karina Ailyn Raiol Barbosa, de 20 anos, era estudante da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, e saiu do Brasil por São Paulo, sem avisar a família. Segundo os parentes, a jovem se converteu ao islamismo há cerca de dois anos, e teria sido aliciada para sair do país. Segundo a Polícia Federal, o caso foi enviado para a investigação internacional na terça-feira (5).
Segundo a Polícia Federal, os depoimentos da família foram enviados a Interpol, assim como a solicitação para saber o destino de Karina. No entanto, a PF afirma que inicialmente não há crime, já que Karina é maior de idade e saiu pelo país legalmente.
“Esse desinteresse nos angustia. Por que a polícia pelo menos não viu as imagens do circuito de segurança do aeroporto para saber com quem minha irmã estava? Por que não quebram o sigilo telefônico dela? Eu disse para a polícia: minha irmã só tem dois destinos, um é virar 'mulher-bomba', outro é virar escrava sexual. Como eles podem permitir que isso aconteça?”, questiona a irmã, Karina Raiol.
Desaparecimento
De acordo com a irmã, o último contato com a jovem foi às 13h da segunda-feira (4). Ela informou que estava gravando vídeos para um trabalho na UFPA e que depois iria para casa. No entanto, em seguida, o telefone de Karina ficou fora de área. Por volta de 18h, sem notícias da irmã, ela e os pais foram até a universidade, mas não a encontraram. “Aí passamos por todos os hospitais, e nada. Até que meu marido sugeriu que fôssemos ao aeroporto. Lá meu pai descobriu com a polícia que ela havia tirado o passaporte em dezembro e ninguém tinha conhecimento disso”, relata.
Segundo os parentes, a estudante viajou sem levar mala. "Ela saiu de casa às 10h, apenas com um casaquinho fino e levando uma sandália", conta a irmã. A família passou a madrugada no aeroporto na expectativa de encontrar a estudante. Na manhã seguinte, foram até a UFPA, e lá souberam que Karina há meses não frequentava o curso. De acordo com a universidade, a estudante não trancou a matrícula, mas tinha muitas faltas, e em fevereiro deixou de ir para a aula.
Família busca informações sobre o paradeiro de Karina (Foto: Arquivo Pessoal/ Karen Raiol)Família busca informações sobre o paradeiro de
Karina (Foto: Arquivo Pessoal/ Karen Raiol)
A Polícia Federal informou que Karina embarcou em um voo para fora do Brasil, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, às 5h14 da terça-feira (5). “Buscamos as escalas e descobrimos que o avião pousou em Marrocos e Istambul”, diz Karen. A polícia, no entanto, não informou ao G1 o possível destino da estudante, e alegou que aguarda a informação da Interpol.
“Tememos que ela tenha sido forçada a embarcar. Ela não deixaria nossa família assim, sem explicação. Achamos que ela entrou em algum circuito e quando percebeu, foi forçada a ir, sob ameaça até de fazerem alguma coisa conosco. Ela não trabalhava e meu pai não teria dinheiro para pagar passaporte, muito menos viagem para São Paulo e para fora do país. Alguém pagou isso e não sabemos quem e o porquê”, diz Karen.
Conversão ao islamismo
Segundo a família, Karina era uma jovem tímida e caseira. Reclusa, ela não tinha muitos amigos e só costumava sair para ir à aula. Em 2014, ela iniciou um curso de árabe que teria relação com a UFPA. Em seguida, passou a frequentar a mesquita. Em abril de 2015 ela se converteu ao islamismo. “Ninguém apoiou essa decisão, mas também não criamos guerra por causa disso. Ela começou a usar só roupa de manga longa, e saia por cima da calça, e sempre estava de véu. Ela até ficou mais comunicativa, conversava mais com a gente. Minha mãe algumas vezes até acompanhou Karina até a mesquita”, diz a irmã da estudante.
Em nota, a UFPA informou que segundo o professor Saif Mounssif, pesquisador da Faculdade de Engenharia Naval da universidade e integrante do Centro Islâmico Cultural do Pará, a estudante esteve, em 2014, em um curso de língua árabe oferecido pelo Centro e, pouco tempo depois, manifestou o desejo de conversão à religião muçulmana.
O pesquisador, porém, ressalta que o curso de idioma não aborda questões políticas ou religiosas em relação ao Estado Islâmico. Segundo Saif, Karina deixou de frequentar o espaço em novembro de 2015.
G1.COM.BR

Nenhum comentário: