segunda-feira, 4 de maio de 2015

Conexão Repórter exibe entrevista com Marco Feliciano

O deputado pastor Marco Feliciano foi entrevistado pelo Conexão Repórter deste domingo (3) e foi questionado principalmente a respeito de suas posições sobre o homossexualismo.
Aos 42 anos o parlamentar tem uma história na Igreja Assembleia de Deus onde começou a pregar aos 19 anos antes mesmo de ser ordenado a pastor. Sua retórica o fez ser chamado por diversas vezes para pregar no maior congresso da AD que é o Gideões Missionários da Última Hora, evento que ainda o mantém entre os preletores.
Foi inclusive a Assembleia de Deus que lhe abriu portas para a política quando em sua primeira candidatura o fez ser eleito pelo Estado de São Paulo como deputado federal com mais de 212 mil votos.
Roberto Cabrini começou o programa falando exatamente sobre os fatos que fizeram com que o pastor recém chegado à política se tornasse uma grande polêmica no Brasil: acusações de homofobia.
Feliciano chegou a se emocionar ao relatar que ele e sua família foram e ainda são ofendidos por militantes homossexuais que não entendem a sua posição contra a união entre pessoas do mesmo sexo.
A produção do programa também conseguiu pregações antigas de Feliciano para levantar assuntos como as falas do pastor sobre a morte dos integrantes do grupo Mamonas Assassinas e do cantor John Lennon.

História de vida

O jornalista pode visitar a casa de Feliciano em Orlândia, interior de São Paulo, e contou a história de vida do parlamentar que teve uma infância pobre. Marco Feliciano chegou a ser engraxate e por dois anos foi coroinha da Igreja Católica da cidade.
Feliciano se tornou evangélico e seu chamado de ministro – recebido quando ainda era católico – se tornou mais forte. Logo ele começou a pregar e a evangelizar na cidade e em pouco tempo passou a ser reconhecido em todo o Brasil.

Trabalhos como deputado

A entrada de Feliciano na política foi questionada por Roberto Cabrini que encontrou um vídeo onde ele ministrava nos Gideões e dizia que alguns partidos políticos o procuraram para lançá-lo como candidato e ele respondeu que não se rebaixaria.
Cinco anos depois lá estava Marco Feliciano concorrendo ao cargo de deputado federal. “O que me aproximou da política foi a fé, a família e o mea culpa. Mea culpa porque até alguns anos atrás eu pregava contra a política”, confessou.
A produção do programa acompanhou os trabalhos do deputado durante as sessões na Câmara e citou algumas propostas apresentadas por ele como a castração química de pedófilos, o ensino religioso nas escolas e outros.
A presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara  no ano de 2013, também foi pauta do programa. Por ser contra o homossexualismo, Feliciano foi alvo de inúmeras manifestações de ativistas que o consideraram homofóbico e por isso indigno de presidir a comissão que por muitos anos beneficiou esses grupos.

Preconceito

Por ser contra o homossexualismo, Feliciano passou a ser alvo de ameaças de morte. Suas filhas e esposa também foram ameaçadas e sua casa em Orlândia foi apedrejada.
O episódio do ataque sofrido por ele no avião foi citado no programa, assim como o caso de duas lésbicas que entraram em um culto, tiraram as blusas, subiram nos ombros de outras pessoas e se beijaram para atrapalhar a pregação de Feliciano que do altar solicitou que elas fossem presas pela guarda municipal.
As filhas do deputado, que também foram alvo de protestos, comentaram o que sofreram e como aprenderam a lidar com esses ataques.
Assista:

GOSPEL PRIME

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...