sexta-feira, 5 de junho de 2015

Estado Islâmico declara guerra a Israel: "o pior está chegando"

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6


Um grupo jihadista filiada ao Estado Islâmico em Gaza declarou guerra contra Israel depois de afirmar a responsabilidade de dois ataques com foguetes  nas últimas duas semanas.
 
Um grupo que se autodenomina Brigada Sheikh Omar Hadeed em Quds alega que disparou um foguete em 26 de Maio que caiu perto da cidade israelense de Ashdod , bem como uma outro em 3 de junho , que também atingiu a cidade . Israel respondeu com ataques aéreos em Gaza na quinta-feira.
 
O primeiro foguete foi amplamente creditado ter sido lançada pela Jihad Islâmica e a filiada Brigada Omar reivindicou - que veio em um comunicado em 1 de Junho - não pode ser verificada de forma independente. O grupo assumiu a responsabilidade pelo foguete de quarta-feira à noite em um segundo comunicado.
 
Ele advertiu Israel de que haverá mais ataques: "Ashdod é o começo, o que está vindo é pior".
 
Gaza está atualmente envolvida em  uma luta interna pelo poder entre o Hamas e vários grupos salafistas, dos quais a Brigada Omar parece ser a mais proeminente.
 
Em 2 de junho, as forças de segurança do Hamas matou um militante do EI em um tiroteio em sua casa na Cidade de Gaza e em maio o grupo islâmico palestino - que controla a faixa desde 2006 - demoliu uma mesquita salafi no centro de Gaza perto de Khan Younis.
 
Enquanto a última declaração da Brigada Omar é explícita em sua ameaça em relação a Israel, a maior parte da ira do grupo é dirigida ao Hamas, que ela acusa de prender e encarcerar salafistas, bem como confiscar suas armas e torturá-los.
 
"Vendo que o Hamas escolheu a guerra contra os jihadis salafistas para apaziguar agendas estrangeiras contra os cidadãos de Gaza. Nós a Brigada Sheikh Omar Hadeed optamos por manter nossas armas apontadas para os israelenses", diz a declaração.
 
Israel culpou o Hamas pelos foguetes que foram disparados em 26 de Maio e 3 de Junho, argumentando que ele vai manter o grupo responsável por todos os ataques a partir de Gaza.
 
A ascensão de grupos ligados ao EI/Salafistas em Gaza é um sério desafio ao Hamas, que tem uma longa campanha em suas credenciais islâmicas e sua oposição a paz com Israel. Os grupos sempre usou sua ideologia para convencer os palestinos a apoiá-los sobre o Fatah, que é visto por muitos palestinos como na melhor das hipóteses fraco e, na pior, colaboradores dos israelenses.
 
Eles também vêem como o Hamas e a Jihad Islâmica estão ficando rapidamente sem aliados. Hamas perdeu um aliado poderoso, a Irmandade Muçulmana de Mohammed Morsi, que foi deposto em um golpe em 2013 e agora está no corredor da morte no Egito, enquanto há relatos de que a Jihad Islâmica tenha caído em desuso com o seu principal patrocinador, o Irã.
 
Com residentes de Gaza percebendo que eles ganharam pouco, após a guerra brutal do ano passado que deixaram em torno de 2.200 mortos, uma economia de tancagem e destruição em massa, o Hamas é certo para enfrentar uma crescente oposição de ambos os pretendentes: Estado Islâmico e os palestinos moderados.
 
Fonte: Sempre Guerra.

Nenhum comentário:

Exposição que mostra pedofilia e zoofilia provoca bate boca entre deputados

Não foi só nas redes sociais que a mostra “QueerMuseu” gerou debates e bate boca. Na noite desta terça-feira (12) o assunto foi amplam...