terça-feira, 14 de julho de 2015

Séria, ex-paquita diz que Xuxa mandou queimar disco com “voz de Satanás”

superopopexpaquita








Uma velha lenda a respeito da apresentadora Xuxa voltou à tona no programa “Superpop”, apresentado por Luciana Gimenez, na RedeTV!. Segundo a ex-paquita Ana Paula Almeida, uma música de um disco da rainha dos baixinhos, se rodado de trás para frente, reproduzia “uma voz assim… como se fosse Satanás“.
A “revelação”, feita com a maior seriedade, ocorreu em meio a um programa com a participação exclusivamente de artistas evangélicos convertidos – além da ex-paquita, compareceram Rafael Ilha, Mara Maravilha e um ex-ator pornô, hoje pastor. Também foram exibidos depoimentos de Andressa Urach e de Vivi Brunieri, ex-Ronaldinha, ambas pregadoras.
Exibido originalmente no final de março, o programa foi reapresentado nesta segunda-feira (13). A certa altura do debate, um assistente de Luciana se vira para Ana Paula e a questiona: “Uma das grandes polêmicas entre os evangélicos com a apresentadora Xuxa, com quem você trabalhou por muito tempo, é que se rodasse o disco da Xuxa (ao contrário) você tinha mensagens satanistas”.
A ex-paquita responde: “Isso. Aconteceu isso. A Xuxa perguntou: ‘De onde está vindo esse boato?’ Aí a Marlene (Mattos, então produtora e empresária da artista) trouxe o disco na gravadora e tinha uma música com uma voz assim… como se fosse Satanás. Ela mandou queimar toda aquela edição.”
Sensato, Rafael Ilha até tentou esclarecer, observando: “Qualquer disco de vinil que você rodar ao contrário vai fazer esse ruído…” Mas ninguém deu bola para ele e a história da aparição do diabo ficou por isso mesmo.
O assunto já rendeu muita polêmica e um processo rumoroso, movido por Xuxa contra a “Folha Universal”, jornal da Igreja Universal do Reino de Deus, cujo líder, Edir Macedo, é dono da Record.
Em agosto de 2008, o jornal noticiou que um pastor norte-americano possuía “provas'' de que Xuxa teria vendido a alma para o diabo por US$ 100 milhões. Processada pela apresentadora, a empresa que edita o jornal foi condenada, em janeiro de 2011, por danos morais a pagar R$ 150 mil de indenização para Xuxa.
VIA GRITOS DE ALERTA 

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...