quinta-feira, 23 de abril de 2015

Proposta na ONU quer impedir acesso de judeus ao Monte do Templo

Uma decisão potencialmente polêmica, proposta pela Jordânia na ONU, pode ser aprovada nesta quinta-feira, 23/4. O órgão das Nações Unidas responsável pelo Patrimônio da Humanidade (UNESCO) está prestes a aprovar uma proposta que limita a atividade judaica e israelense nas proximidades e no local do Monte do Templo, decisão que poderá agravar as tensões nacionais e religiosas existentes na Cidade Velha de Jerusalém.
Em declarações à Agência de Notícias Tazpit, Lisa Rahmani, da organização “Face of Israel”, registrou sua indignação com o suposto conteúdo do documento.
“Estamos indignados com a proposta. Ela não só viola o artigo 9 do tratado de paz entre Israel e Jordânia, mas também o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o respeito à liberdade de religião.”
É esperado que este projeto de decisão seja aprovado nesta quinta-feira, 23/4, durante a 196ª sessão do comitê, devido à composição de membros do comitê e do bloco de votação automática que a Jordânia tem em tais órgãos das Nações Unidas.
Setores-chave da proposta da Cidade Velha, enviados pela Jordânia, condenam atividades israelenses na Cidade Velha e o acesso de visitantes judeus ao Monte do Templo. Além disso, condenam as escavações e as atividades arqueológicas de Israel e organizações judaicas no local.
O projeto solicita que a comissão da UNESCO exija o fim imediato de todas as ações israelenses que supostamente estão impedindo 19 projetos propostos pela Jordânia no Monte do Templo e alega que Israel está dificultando o acesso de muçulmanos e cristãos ao local.
Os opositores da decisão que está pendente na UNESCO acusam que o texto proposto é repleto de retóricas antissemitas e anti-israelenses, além de ser baseado em informações errôneas e má interpretação dos fatos e do direito internacional.
Em uma carta urgente de apelo à UNESCO, enviada pelo “Fórum Jurídico Internacional” e “The Face of Israel”, a diretora do Fórum Jurídico, Yifa Segal, acrescenta que a decisão “pode causar um grande dano para todos os israelenses bem como para os judeus em todos os lugares, e pode pôr em perigo valores muito fundamentais nos quais a sua organização é construída. Nós pedimos que a Unesco retenha a passagem desta resolução controversa neste momento, e permita-nos a possibilidade de apresentar os fatos e evidências para apoiar nossa reivindicação”.

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...