terça-feira, 19 de maio de 2015

APOSTASIA 01 - Igreja da Escócia irá aceitar ministros homossexuais casados por união civil



A igreja, que em sua fundação foi orientada pela doutrina presbiteriana, irá manter a visão tradicional do casamento entre um homem e uma mulher no religioso, mas irá permitir parcerias civis homossexuais.

A Igreja de Escócia irá permitir que homossexuais casados por união civil atuem como ministros e diáconos. A decisão foi tomada pela Assembléia Geral em Edimburgo no sábado (16), onde a moção foi aprovada por 309 votos a favor e 182 contra.

O movimento enfrentou uma série de debates e votações antes da decisão final. A igreja, que em sua fundação foi orientada pela doutrina presbiteriana, irá manter a visão tradicional do casamento entre um homem e uma mulher, mas irá permitir que congregações individuais nomeiem ministros ou diáconos que estejam em uma parceria civil homossexual.

"É hora de parar de dar nomes uns aos outros, é tempo de evitar a ideia de que devemos nos definir por nossas diferenças em vez de nos definir pelo que temos em comum - o nosso batismo em Cristo, a nossa dependência da graça de Deus, a nossa vontade de servir os pobres, e assim por diante", disse o Reverendo John Chalmers em um discurso posterior.

O debate antecede a aprovação do casamento gay religioso, mas a alteração da proposta menciona apenas as parcerias civis. Uma nova Assembléia irá acontecer na quinta-feira (21) para considerar se a nova lei irá incluir ministros casados com aval da igreja.

Augustus Nicodemus, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, esclarece que a doutrina da igreja no Brasil não está de acordo com conceitos deturpados adeptos a outras igrejas de linhagem presbiteriana. “Muitos não sabem que o termo ‘presbiteriana’ define apenas um sistema de governo, não uma teologia. A rigor, uma igreja presbiteriana é aquela que é governada por presbíteros. Assim, há igrejas que se dizem presbiterianas mas que são renovadas ou de linha pentecostal", exemplifica no blog “O tempora! O mores!”.

Por fim, Nicodemus se posiciona firmemente em relação à visão da igreja sobre o casamento: “A IPB é conservadora na sua doutrina e mantém o conceito da inerrância das Escrituras. Como tal, não reconhece o ‘casamento’ gay.”


Fonte: Guia-me

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...