terça-feira, 19 de maio de 2015

INACEITÁVEL - Juízes argentinos diminuem pena de estuprador de criança porque vítima de 6 anos seria gay


  • Os juízes Horacio Piombo e Benjamín Sal Llargués afirmaram que o estupro do garoto não era ultrajante, pois o menino era homossexual e "estava acostumado a ser abusado?
    Os juízes Horacio Piombo e Benjamín Sal Llargués afirmaram que o estupro do garoto não era ultrajante, pois o menino era homossexual e "estava acostumado a ser abusado?
A pena de um homem que abusou de um garoto de 6 anos na Argentina foi reduzida, passando de 6 para 3 anos, após juízes de uma câmara de Buenos Aires argumentarem que o abuso não era tão grave porque a vítima seria homossexual. As informações são do jornal A Tarde.
O crime ocorreu em 2010, quando o acusado, um vice-presidente de um clube de futebol chamado Club Florida, abusou do garoto, inclusive utilizando um galho de árvore. Na ocasião, o menino contou para a avó o ocorrido, que comprovou as lesões do neto e denunciou o caso à polícia.
Na decisão, os juízes Horacio Piombo e Benjamín Sal Llargués afirmaram que o crime não era ultrajante, pois "o menino estava acostumado a ser abusado". A decisão gerou revolta na Argentina. O ativista Esteban Pulon, presidente da Federação Argentina de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Trans, se manifestou via Twitter, dizendo que recebeu a notícia da redução da pena com "estupor".
Diante da polêmica, uma corte suprema de Buenos Aires começou a revisar este e outros casos em que os juízes atuaram. Dessa forma, a corte passou a revisar outro caso em que Piombio e Llargués trabalharam juntos e decidiram diminuir a pena de um molestador: os juízes teriam abrandado a pena de um pastor que abusou de duas garotas de 14 e 16 anos, alegando que o crime não era tão grave, já que as garotas eram de comunidades pobres, onde, segundo eles, é "comum ter relações sexuais com idades baixas".
De acordo com reportagem da GloboNews, um conselho de magistratura de Bueno Aires está avaliando a eventual destituição dos juízes. 



 A Tarde  / Gritos de Alerta

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...