terça-feira, 5 de maio de 2015

Dependência de tecnologia: Quais são os limites?

Pesquisa realizada pela Universidade Maryland, dos Estados Unidos, revelou que a dependência em tecnologia é semelhante ao do uso de drogas. Ao analisar mil jovens de 17 a 23 anos concluiu-se que 79% deles apresentam desconforto, confusão mental, isolamento, e até coceira, quando submetidos à restrição de eletrônicos. O tema merece devida atenção pois cresce em todo o mundo os casos de nomofobia – desconforto e angústia causados pela incapacidade de comunicação por meio de aparelhos celulares e computadores.
 
Anna Lucia Spear King, psicóloga, coordenadora do Grupo DELETE (Desintoxicação Digital e Uso Consciente de Tecnologias) do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e autora do livro Nomofobia, lançado em março deste ano, pela editora Atheneu, explica que os sinais de vício são nítidos quando começam a prejudicar a vida profissional, social e familiar do individuo.
 
“Ele não sai de casa, não faz as refeições com a família, ignora o mundo físico ao seu redor e não pratica atividade física. Pode, ainda, haver comprometimentos físicos, como problemas na coluna, na visão e nas articulações”, lista a psicóloga. Além destes, outros sintomas que se manifestam com frequência são a preocupação excessiva com a internet, necessidade de aumentar o tempo online e desequilíbrio emocional após período desconectado.
 
O uso excessivo da tecnologia pode ser influenciado por fatores ambientais e genéticos que alteram o comportamento do paciente. A busca por esses aspectos pode auxiliar na compreensão do vício, bem como no tratamento e na prevenção. No Grupo DELETE, King informa que recebe um número consistente de pessoas com transtornos sociais e de ansiedade e observou-se a relação com o excesso de utilização de computadores. “Logo após o início da terapia já é relatado uma melhora significativa quanto à dependência”, destaca.
 
Como forma mais recorrente de tratamento, aplica-se terapia cognitiva comportamental e, a depender dos transtornos originais, como depressão e ansiedade, acompanhamento psiquiátrico e medicamentoso são prescritos.
 
Independentemente da idade e do sexo, qualquer um está sujeito ao desenvolvimento da nomofobia – o limite entre o uso normal e o abusivo é tênue. Os interesses variam: “as mulheres, as quais mais sofrem com depressão, frequentam mais as redes sociais; os jovens se interessam por games, sobretudo o RPG; já os homens preferem jogos online e sites pornográficos”, relata a psicóloga.
 
Anna Lucia Spear King relata que recebe muitos pacientes dependentes em jogos eletrônicos usuários de aparelhos celulares indevidamente, como, por exemplo, ao dirigir.
 
“Deixamos claro como diferenciar esses padrões e nos disponibilizamos para eventuais atendimentos. Contamos com equipe preparada para avaliações e orientações quanto ao bom uso das novas tecnologias. Quando pertinente, oferecemos tratamento psicológico e médico gratuitamente”, esclarece.
 
O uso consciente é primordial, por isso quando extrapolado deve ser identificado e encaminhado para avaliação e tratamento. Atualmente, em um universo multitelas, não só o individuo, mas também colegas e familiares devem se atentar quando a tecnologia passa a interferir negativamente nas relações intersociais.


Fonte: Saúde Acontece 

Nenhum comentário:

“Não chame meninas de princesas”, diz campanha da Avon

Uma campanha da Avon tem gerado polêmica nas redes sociais por pedir aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”, dizendo que o elo...